Destinos – Rubrica 10

R.10 – 21/12/2012


50 Cidades, 50 Países, 50 Destinos…
Vamos deixar a cidade de Helsínquia, para irmos um pouco mais abaixo na Europa, mais nomeadamente, a cidade de Zurique, na Suíça. Zurique é a maior cidade e a capital da Suíça. Localizada no nordeste do país e rodeada pelo Lago de Zurique, o seu aeroporto e a sua estação de comboios são as mais movimentadas do país. É também a capital do Cantão de Zurique. Seja bem-vindo a mais um grande destino.

Tal como foi dito anteriormente, Zurique é a capital da Suíça e do Cantão de Zurique, e tem uma população de cerca de 376 mil habitantes. Entre as maiores cidades globais do Mundo, Zurique têm também um dos maiores centros financeiros do Mundo. Instituições bancárias, de pesquisa e de desenvolvimento, para além de várias empresas têm aqui as suas sedes. Segundo a Monocle, Zurique foi eleita este ano como a cidade com melhor qualidade de vida no Mundo. É considerada por muitos como a cidade mais saudável da Europa.

Vamos começar pelo Museu Nacional Suíço, que se encontra perto da estação de comboios de Zurique. Inaugurado em 1898, este museu tem como objetivo realizar exposições destinadas a mostrar a história cultural da Suíça.  Desde peças dos tempos antigos, passando pela Idade Média e acabando com arte moderna, o museu é um dos pontos de turismo mais populares da cidade.

Seguimos para o Grossmünster, outra das atrações da cidade… Localizada perto do rio Limmat, esta igreja protestante é uma das três maiores igrejas da cidade (as outras são Fraumünster e St. Peterskirche). Apesar de ter sido inaugurada por volta do ano de 1220, esta catedral apresenta objetos modernos como o púlpito ou o órgão. Com uma arquitetura românica, esta catedral apresenta igualmente cenas de batalha e alguns frescos.

Passamos agora para o Zürich Zoologischer Garten, um zoo localizado em Zurichbergstrasse e que conta com 2200 animais de 300 espécies diferentes. Aberto em 1929, este zoo conta também com paradas de pinguins, que ocorrem diariamente, após o meio-dia e caso a temperatura exterior seja menor a 10ºC. Conta com várias espécies de leopardos (desde leopardos-das-neves a leopardos-de-amur), leões e até pandas.

Seguimos em frente, rumo ao antigo jardim botânico da cidade, localizado perto do Sihlporte, no centro da cidade. Este jardim botânci conta com mais de 15000 espécies de plantas e árvores diferentes. Podemos ver aqui, tanto quanto 3 milhões de plantas, desde plantas raras vindas de África como plantas vindas da Oceânia. Está aberto todos os dias entre as 7:00 e as 19:00 entre Abril a Setembro e aberto das 8:00 ás 18:00 entre Outubro e Março.

Se gosta de comboios e da sua história, nada melhor que visitar o Museu de Elétricos de Zurique. Localizado no Burgwies, este museu mostra a história dos transportes da cidade, com elétricos que vão desde 1897 até aos nossos dias. Aberto ao público durante vários dias da semana, é possível entrar e viajar nalguns destes elétricos (uma vez que muitos destes mesmos elétricos ainda se encontram operacionais), expostos no museu.

Passamos agora para o Museu de Rietberg, o terceiro maior museu da cidade. Localizado na Gablerstrasse, este museu constituí um dos maiores repositórios de arte e cultura de Zurique e recebe, anualmente, mais de 150 mil visitantes. Com exposições que englobam vários objetos vindos dos vários cantos do mundo (desde artefactos vindos do Tibete e passando por máscaras das tribos africanas), este é o único museu suíço que apenas mostra arte vinda de países não europeus.

Construído em 1834, seguimos em frente, para a Casa da Ópera de Zurique, uma das principais casas de ópera da Europa. Possuíndo uma arquitetura neo-clássica, esta casa teve de ser reconstruída, nos finais de 1890. Nela podemos encontrar bustos de várias pessoas tais como Mozart, Wagner, Schiller, Weber, Shakespeare ou Goethe. O seu auditório baseia-se no estilo rococo e possuí lugares para cerca de 1200 pessoas, embora muitos deles tenham uma visão limitada ou não têm sequer visão para o palco.

CLASSIFICAÇÃO: 4.5 ESTRELAS
ZURIQUE É UMA BELA CIDADE, COM VÁRIAS ATRAÇÕES E MONUMENTOS PARA OS MAIS VARIADOS GOSTOS. UM GRANDE DESTINO PARA UMAS BOAS FÉRIAS.

2012 – ÚLTIMO

R.7 – 20/12/2012

21 de Dezembro de 2012… A data que tem marcado a atualidade. São várias as teorias que apontam para o Apocalipse e para o Fim do Mundo. Mas porquê esse dia? E o que nos irá acontecer nesse dia? As conspirações, o Calendário Maia, o Nibiru, o apocalipse, os prós e os contras e o misticismo que envolve este dia. Tudo será analisado ao promenor, a partir de agora…

2012 NA CULTURA POPULAR: A CONTAGEM DECRESCENTE

Estamos a pouco mais de uma hora de entrarmos em mais um dia: o dia 21 de Dezembro de 2012. Será este um dia normal como os outros? Ou acontecerá algo que nos aniquilará? Foram várias as teorias que aqui englobamos, bem comos as várias teorias que pairam no dia de amanhã. Desde do Calendário Maia, ao Nibiru, passando pelas profecias de Nostradamus, um alinhamento planetário, uma tempestade solar, e ainda o Timewave Zero e o I Ching.

São vários os documentários, os filmes e até as músicas que envolvem este dia tão popular. Desde de documentários envolvendo a preparação para este fim do Mundo, a outros englobando as várias teorias que pairam sob este dia. Canais tais como o Discovery Channel, História, Odisseia ou National Geographic são especialistas nestes documentários, que estarão no ar, até neste preciso momento.

Já nos filmes, destacam-se alguns trabalhos tais como “2012”, “Decipher”, “Angel Fire East”, “The Lost Symbols”, “The Joshua Files”, entre vários outros. Hits como “2012 (It Ain’t the End)” de Jay Sean (2010) ou “Till the World Ends” (2011) de Britney Spears também levam este dia como tema principal.

Na Internet, são vários os sites que englobam este tema, inclusive, vários vídeos pelo Youtube. Até no turismo, este tema marcou ordem de destaque, com países como o México, a verem o número de visitantes aos templos maias, subirem…

Este tema está a ser de tal modo marcante, que obrigou a NASA a fazer um desmentido sobre o assunto, após receber cartas de pessoas de tal modo preocupadas sobre o assunto, que já se pensaram em suicidar.

O que acontecerá neste dia? É caso para dizer, que o melhor é esperar para ver…

Pratos – ESTREIA

R.1 – 20/12/2012

A melhor cozinha mundial passa por aqui! “Pratos” trazer-lhe-á as melhores, as mais apetitosas, as mais estaladiças e as mais picantes receitas do mundo. Como prepara-las, os ingredientes que precisa, onde existem… Os pratos típicos do Mundo num só lugar. Delicie-se em “Pratos”.

Estamos na época natalícia e nada melhor que começar esta rubrica com uma receita de Natal…

Como prato principal, não poderia faltar o famoso peru de Natal, portanto, a nossa receita de hoje é um belo peru recheado com maçã e castanhas portuguesas.

PERU RECHEADO COM MAÇÃ E CASTANHAS PORTUGUESAS


Ingredientes:


- 1 peru de aproximadamente 4 kg
- 2 cebolas
- 40g de manteiga
- 150g de bacon
- 100g de gordura de porco moída
- 200g de lombo de porco moído duas vezes
- 1 maçã sem casca e cortada em cubos
- Especiarias (canela, cravo, noz-moscada e pimenta) (à gosto)
- Óleo vegetal para regar
- 10 castanhas portuguesas cozidas em água e cortadas em cubos
- 500g de bacon fatiado
- Sal e pimenta-do-reino moída na hora (à gosto)
Acompanhamento:

- Castanhas portuguesas sem casca cozidas por 10 minutos em calda fina de açúcar aromatizada com rum, cravo e canela
- Maçãs com casca cortadas em fatias grossas e cozidas rapidamente em caramelo

Modo de preparação:

Antes de mais, limpe o peru e tempere-o por dentro e por fora com sal e pimenta e, de seguida, descasque as cebolas e pique-as finamente. Numa caçarola, derreta a manteiga, junte o bacon e doure as cebolas. Depois, coloque a banha, o lombo de porco moído e deixe no fogão, mexendo, durante cerca de 3 minutos.
Junte a maçã e tempere-a com as especiarias e sal. Retire do fogão e adicione as castanhas.
Recheie o peru com essa mistura e costure-o, deixando-o bem fechado. Amarre as coxas e as asas do peru para que elas não se abram no forno.
Coloque-o numa forma, regue-o com o óleo e cubra-o com o bacon em fatias.
Leve ao forno pré aquecido a 170° C, durante 1 hora, tapado com papel-alumíni. Retire o papel-alumínio e deixe o peru por mais 1 hora no forno, regando-o de vez em quando com a gordura do bacon.

Finalização:

Após o peru se encontrar assado, coloque-o numa travessa e sirva-o acompanhado com as maçãs e castanhas.

2012 – Rubrica 6

R.6 – 20/12/2012

21 de Dezembro de 2012… A data que tem marcado a atualidade. São várias as teorias que apontam para o Apocalipse e para o Fim do Mundo. Mas porquê esse dia? E o que nos irá acontecer nesse dia? As conspirações, o Calendário Maia, o Nibiru, o apocalipse, os prós e os contras e o misticismo que envolve este dia. Tudo será analisado ao promenor, a partir de agora…

TIMEWAVE ZERO E O I CHING

Outra das teorias que envolvem que prevêm um apocalipse para 2012, é o “Timewave Zero”, também conhecida como “Teoria da Novidade”. Este software de computador, feito a partir dos estudos dos exagramas do I Ching (ou Livro das Mutações – texto clássico chinês composto de várias camadas, sobrepostas ao longo do tempo) está baseado nas ideias de McKenna sobre a natureza fractal do tempo e a mecânica da entrada da “novidade” na História humana…

Neste conceito, a “novidade”, são as complexificaçoes e acontecimentos dinâmicos capazes de moldar o rumo da história, em oposição à repetição e hábito.

Os símbolos do I Ching foram então transformados em códigos binários e equações, criando assim o “Timewave Zero”… Mas em que este “Timewave Zero” consiste?

Bem, os gráficos de McKenna mostram os grandes períodos de “novidade”, ou seja, os principais deslocamentos da evolução biológica e cultural da humanidade. Durante os picos altos, ocorrem as grandes tragédias da humanidade.

Segundo McKenna, os eventos do passado estão relacionados com os eventos que ocorrem no presente, assim como a visão cíclica dos maias. O último grande pico do “Timewave Zero”, ocorreu por volta do ano de 1968, um ano em que ocorreram profundas mudanças no mundo ocidental.

Inicialmente, o ponto onde ocorreria o final dos tempos seria em Novembro de 2012, mas após McKenna reparar no fim do 13º b’ak’tun do calendário maia, ele mudara o ponto para o dia 21 de Dezembro de 2012.

De acordo com o “Timewave Zero”, os grandes períodos de “novidade” ocorreram há 4 biliões de anos (altura em que a Terra foi criada), há 65 milhões de anos (altura em que os dinaussauros foram extintos), há 10000 anos (fim da Era de Gelo), no séc. XVIII (século onde ocorreram profundas mudanças sociais e científicas), a 11 de Setembro de 2001, em Novembro de 2008 (altura em que começa a atual crise financeira) e, por fim, a 21 de Dezembro de 2012.

O que acontecerá a 21 de Dezembro de 2012? Resta-nos esperar para ver, já amanhã…

Destinos – Zurique

Embarque em mais um destino e conheça os monumentos, as paisagens e tudo aquilo que não vai querer perder da bela cidade de Zurique, na Suíça. A 10ª rubrica de “Destinos” vai para o ar amanhã ás 21h, no Slide.

Aproveite também e delicie-se na estreia de “Pratos”, ás 21h, no Slide.

50 Cidades, 50 Países, 50

Sobre – ESTREIA

R.1 – 19/12/2012


O mundo tem imensos factos curiosos. Desde festividades, a locais, passando até pelo próprio ser humano. Nesta rubrica, iremos analisar ao promenor, esses mesmos factos que abundam no nosso dia-a-dia, muitos deles, que ninguém sequer imaginam que existem. Até agora…

Estamos na altura do Natal, e nada melhor que abordar esta grande festividade religiosa cristã na estreia do “Sobre”.

O Natal é um feriado e uma festividade religiosa cristã que assinala o nascimento de Jesus Cristo e que prima a união familiar e a entrega de presentes (não em todos os países) ao próximo. É comemorado todos os anos a 25 de Dezembro.

Originalmente, o dia 25 de Dezembro era destinado para a comemoração anual do nascimento do Deus Sol no Solstício de Inverno. Ele fora adaptado pela Igreja Católica no século III d.C., como uma forma de permitir a conversão dos povos pagãos sob o domínio do Império Romano. Esta é a festividade católica mais importante no fim de ano.

Entretanto ela pode ser comemorada noutras datas. No caso dos países eslavos e ortodoxos, o dia de Natal é celebrado no dia 7 de Janeiro. Alguns dos costumes que hoje conhecemos do Natal foram implementados ao longo do tempo, como a troca de presentes e cartões, a Ceia de Natal, as músicas natalícias, festas da igreja, uma refeição especial, a exibição de decorações diferentes, a árvore de Natal, o presépio e até o famoso Pai Natal.

A venda de presentes nesse ano aumenta significativamente, sendo o Natal uma época alta de consumo, um período chave para os vendedores e lojistas e um dos maiores estímulos anuais para várias nações pelo mundo.

O nascimento de Jesus ocorreu cerca de dois anos antes da morte do Rei Herodes, ou seja, considerando que este morreu em 4 a.C., então Jesus só terá nascido por volta de 6 a.C. Segundo a Bíblia, Herodes mandara matar os meninos de Belém /onde Jesus nasceu) até aos 2 anos. (Mateus 2:1, 16-19 – Era seu desejo livrar-se de um possível novo “rei dos judeus”)

Ainda, segundo a Bíblia, antes do nascimento de Jesus, o imperador Octávio César Augusto decretou que todos os habitantes do Império fossem se recensear, cada um à sua cidade natal. Isso obrigara José a viajar de Nazaré (na Galileia) até Belém (na Judeia), a fim de registar-se com Maria, sua esposa.

A viagem de Nazaré a Belém – distância de uns 150 km – deve ter sido muito cansativa para Maria que estava prestes a dar á Luz. Enquanto estavam em Belém, Maria teve o seu filho primogénito num estábulo, rodeada por animais, destacando-se o burro, a vaca e as ovelhas (símbolos presentes no presépio). Nessa noite, três reis magos foram adorar o menino, Melchior, Gaspar e Baltazar, que trouxeram com eles ouro, incenso e mirra. Guiados pela estrela de Belém, os reis Magos haviam homenageado o nascimento do Messias e em vez de se voltarem a encontrar com o Rei Herodes, seguiram para os respetivos países, em caminhos distintos.

 Decorações tornaram-se uma espécie de tradição por esta altura do ano. No Natal, cidades, ruas, praças, casas, entre outros, ficam decoradas com luzes e efeitos natalícios. Quer nas casas, quer nas cidades, são efeitadas árvores de Natal, existindo até concursos para melhor decoração natalícia.

Uma outra tradição do Natal é a decoração de casas, edifícios, postes, pontes e árvores, estabelecimentos comerciais, prédios públicos e cidades com elementos que representam o Natal, como, por exemplo, as luzes de Natal e os efeitos especiais.

A árvore de Natal é considerado por alguns como uma “cristianização” das tradições e rituais pagãos em torno do Solstício de Inverno, que incluía o uso de ramos verdes, além de ser uma adaptação de adoração pagã das árvores.

A maioria das histórias sobre a árvore de Natal, indica a Alemanha como o país de origem da mesma, atribuindo a novidade ao padre Martinho Lutero (1483-1546), autor da Reforma Protestante do século XVI.

Após olhar para o céu através de uns pinheiros, viu que o mesmo se encontrava intensamente estrelado parecendo-lhe um colar de diamantes por cima da copa das árvores. Encantado pela beleza do que via, decidiu arrancar um galho para levar para casa. Após chegar a casa, entusiasmado, colocou o pequeno pinheiro num vaso com terra e chamou a esposa e os filhos… Decorou-a com pequenas velas acesas afincadas nas pontas dos ramos. De seguida, colocou papéis coloridos para a enfeitar mais um pouco. Era o que ele vira lá fora… 
Afastando-se, todos ficaram pasmos ao verem aquela árvore iluminada a quem parecia terem dado vida. Nascia assim a árvore de Natal. Queria, assim, mostrar as crianças como deveria ser o céu na noite do nascimento de Cristo.
Já o presépio, remonta a 1223, quando São Francisco de Assis quis celebrar o Natal de maneira mais realista possível e, com a permissão do Papa, montou um presépio de palha, com uma imagem do Menino Jesus, da Virgem Maria e de José, juntamente com um burro, uma vaca e vários outros animais. Nesse cenário, foi celebrada a Missa de Natal. O sucesso dessa representação do Presépio foi tal maneira que rapidamente se estendeu por toda a Itália. Logo se tornou popular nas casas nobres europeias e, mais tarde, foi introduzido nas casas mais pobres. Em todas as religiões cristãs, é consensual que o Presépio é o único símbolo do Natal de Jesus verdadeiramente inspirado nos Evangelhos.
Tenha um Feliz Natal…